Volume
Redes
Sociais
Vacina contra câncer de mama tem sucesso em camundongos
17/02/2018 - 21h21 em Saúde

Uma vacina contra o câncer de mama, desenvolvida por pesquisadores da Universidade de Stanford, teve testes bem sucedidos em camundongos com a utilização de células-trono.

Ela “ensinou” o sistema imunológico de camundongos a combater o câncer.  A “vacina” além de estimular a imunidade, reduziu os tumores na maioria dos camundongos. Dois deles se curaram do câncer.

As células estaminais compartilham semelhanças com o câncer. E foi por isso que os pesquisadores as utilizaram delas para ensinar os corpos dos camundongos a reconhecer e combater a doença.

Os cientistas dizem que seu novo método promete imunizar preventivamente humanos contra seus próprios cânceres.

O câncer ocorre quando as células começam a se multiplicar e a crescer fora de controle.

Descoberta

Os cientistas descobriram que, à medida que as células saudáveis sofrem essa mudança, elas retornam a um estado muito semelhante aos seus estágios iniciais de desenvolvimento.

Para testar sua teoria, eles usaram células de sangue e pele fáceis de extrair de camundongos para criar células de haste pluripotente induzidas (iPS), dando-lhes uma espécie de banho genético que rebobinava seus relógios de desenvolvimento.

Os pesquisadores testaram a ideia de inoculação em quatro grupos de ratos:

Um conjunto obteve uma injeção de placebo, outro obteve apenas a vacina de iPS especialmente preparada “feita a partir de suas próprias células, um grupo recebeu apenas um reforço de imunidade e o grupo obteve uma combinação da vacina e do reforço.

Uma vez que os ratos foram inoculados, os autores do estudo transplantaram células de câncer de mama e esperaram para ver se as células iPS ensinavam seus corpos a lutar.

Resultados

A vacinação do iPS reduziu os tumores em sete dos 10 que receberam o tratamento.

O tratamento foi tão eficaz que os sistemas imunológicos de dois ratos rejeitaram completamente os tumores que começaram a crescer.

Esses dois continuaram a viver de forma saudável durante mais um ano – uma vida plena, considerando que os ratos sobrevivem de dois a três anos em laboratórios.

Os tumores reduzidos e as taxas de sobrevivência melhoradas significaram que a introdução das células iPS ensinou células T que causam câncer a matar as células defeituosas e doentes.

“Quando imunizamos um animal com células iPS geneticamente correspondentes, o sistema imunológico fica preparado para rejeitar o desenvolvimento de tumores no futuro”, disse o professor de cardiologia e radiologia, o Dr. Joseph Wu, que participou do estudo.

“Uma vez ativado, o sistema imunológico está alerta para atingir os cânceres à medida que eles se desenvolvem em todo o corpo”, disse o autor principal do estudo, Dr. Nigel Kooreman.

Futuro

“Nossas descobertas indicam que essas células podem se tornar uma vacina contra câncer específica para o paciente”, acrescentou.

Como cada rato foi injetado com uma vacina feita a partir de células próprias, geneticamente idênticas, havia muito pouco risco de que o sistema imune atacasse as células iPS, antes de ter uma chance de aprender a matar o câncer.

“Reprogramar o sistema imunológico para parar o desenvolvimento de tumores pode salvar inúmeras vidas, além de poupar muitos do tratamento extenuante e debilitante”, disse Jane Murphy, uma especialista em enfermagem clínica da Breast Cancer Care no Reino Unido.

Isso oferece menos riscos e melhor eficácia para os pacientes.

“Embora ainda haja muita pesquisa, o conceito em si é bastante simples”, disse Wu.

“Nós levamos seu sangue, criamos células iPS e depois injetaremos as células para prevenir futuros cânceres. Estou muito entusiasmado com as possibilidades do futuro “, acrescentou.

Com informações do Daily Mail

COMENTÁRIOS
Comentário enviado com sucesso!